Notícias

Qual a diferença entre Infecção e Intoxicação alimentar

Por que é melhor comer uma fruta inteira que uma salada de frutas comprada pronta? Dr. Ricardo Barbuti, médico gastroenterologista e membro da Federação Brasileira de Gastroenterologia, esclarece essa dúvida e outros temas sobre intoxicação alimentar.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE INFECÇÃO E INTOXICAÇÃO ALIMENTAR?

São termos utilizados, muitas vezes, como sinônimos, mas há diferenças. A intoxicação nem sempre está associada à presença de um agente infeccioso, enquanto na infecção há bactéria, protozoário ou vírus provocando sintomas.

QUANDO REALMENTE É NECESSÁRIO PROCURAR AJUDA MÉDICA?

É muito importante que pacientes que apresentem um quadro diarreico significativo procure o acompanhamento médico nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Muitas evacuações por dia, em grande quantidade, podem levar a problemas como desidratação. Boca seca, aceleração da batida do coração, fezes com sangue, muita dor abdominal, febre alta, são motivos que fazem necessário procurar atendimento precocemente. Especialmente se for um paciente imunodeprimido, idoso ou criança muito pequena.

QUAIS SÃO OS ALIMENTOS QUE MAIS CAUSAM ESSE TIPO DE PROBLEMA?

Qualquer alimento mal conservado ou contaminado pode levar a uma série de sintomas e sinais. Deve-se ter especial atenção com alimentos consumidos crus e mal lavados. Por exemplo, é muito mais seguro ingerir uma fruta inteira que uma salada de frutas, que já houve pessoas que descascaram, manipularam etc.

O QUE DEVO COMER QUANDO ESTIVER COM INTOXICAÇÃO?

Se puder comer o que já está habituado, é preferível. Mas, normalmente, quando existe uma diarreia mais importante, é recomendado ao adulto não ingerir leite ou derivados e frituras e alimentos ricos em gorduras.

A hidratação adequada é fundamental, seja com água, água de coco, isotônicos ou mesmo suco de frutas.

A partir do dia 04 de novembro, os atendimentos do pronto-socorro adulto e infantil da Santa Casa de Misericórdia de Barretos, passarão a ser referenciados, ou seja, casos como a diarreia por exemplo, deve ser tratado na atenção primária: UBS, Unidades de Saúde da Família e UPA.

 

Fonte: www.drauziovarella.uol.com.br